quarta-feira, 23 de janeiro de 2013

Reviver o Passado em Brideshead











http://missingmadeleine.forumotion.net/t22569p60-mccann-judgment-that-opposes-the-goncalo-amaral-suspended

I am sure that Gonçalo Amaral would be offended if anyone ever suggested that he would team up with the McCanns to put the blame on the PJ for their "sloppy investigation" in order to save his own skin. I found the suggestion insulting for a man who had stood up to the poisonous pair for years and even when his wife begged for him to come to an agreement. You seem to forget that GA was part of this investigation as a coordinator and has always been in agreement with the conclusions of the report signed by Tavares de Almeida from September 2007 otherwise he would never have written the book. He is a man of honour. My "rant" was perfectly logical.


Reviver o Passado em .................


http://www.mccannpjfiles.co.uk/PJ/LAP_TOP.htm


Pedro Frias, o juiz polémico
Magistrado liberta homicida confesso e é o mesmo que não deixou a PJ ver SMS do telemóvel de Kate McCann




Decisões polémicas e caso Maddie

Em Setembro do ano passado, Pedro Frias tomou uma decisão que colheu críticas em vários quadrantes. Um homem dentro da esquadra da PSP de Portimão disparou três tiros contra um comerciante com quem tinha um diferendo. A vítima ficou tetraplégica, mas o juiz terá considerado que o suspeito, detido em flagrante delito, agiu emocionalmente, uma vez que andava a ser alvo de ameaças por parte da vítima baleada. 
Pedro Frias é também o magistrado que mandou em prisão preventiva um homem acusado de roubar um telemóvel e o juiz que não autorizou o acesso às mensagens de telemóvel de Kate McCann, na noite em Maddie desapareceu. No seu despacho justificou que «por se tratar de intercepções telefónicas as autorizações não podiam ser feitas à posteriori». Ou seja, «não podia autorizar a consulta de mensagens escritas enviadas e recebidas antes do pedido» da judiciária.
À época ouviram-se várias vozes contra a decisão do juiz e este chegou mesmo a pedir autorização ao Conselho Superior de Magistratura (CSM), para explicar à comunicação social os procedimentos judiciais do caso. Mas a sua pretensão foi recusada pelo órgão, alegando que o caso «ainda estava em investigação».
Noutra intervenção, no mesmo processo, o magistrado também recusou «escutas» ambiente, na vivenda e no carro ocupado pelos McCann. Todavia, autorizou a apreensão do diário de Kate.
O magistrado é apontado por uns como «benevolente» e por outros como «humanista». O certo é que as decisões judiciais de Pedro Frias levantam polémica.
Preventiva para jovem que roubou camião
Recentemente, Pedro Frias demorou pouco mais de uma hora para decretar prisão preventiva ao jovem, de 21 anos, que roubou um camião em Lagos, matou uma mulher e atropelou outras oito pessoas.




O casal, originário da cidade de Rothley, em Leicestershire, foi declarado oficialmente suspeito há dez dias, e viajou de volta para a Inglaterra no começo do mês.
Ainda que prometam voltar para Portugal caso seja necessário, o juiz de instrução criminal responsável pelo caso, Pedro Daniel dos Anjos Frias, descartou essa possibilidade, segundo o jornal português "Correio da Manhã".
Segundo o juiz, o casal não deveria viajar ao Algarve, já que poderia ser interrogado pelos detetives britânicos.


MINISTÉRIO PÚBLICO IMPEDIDO DE LER SMS DE MCCANN

Durante o processo de investigação ao desaparecimento de Madeleine McCann do apartamento no Ocean Club na Praia da Luz, a Polícia Judiciária entendeu que seria útil para o processo aceder ao conteúdo das mensagens escritas enviadas e recebidas pelos telemóveis do casal nos momentos anteriores e posteriores ao desaparecimento da filha.
Apesar de o Ministério Público ter validado o pedido feito pela equipa do inspector Gonçalo Amaral, o juiz Pedro Frias recusou o acesso ao conteúdo das SMS do casal McCann, justificando a decisão com o facto de se tratar de intercepções telefónicas e as necessárias autorizações não poderem ser feitas a posteriori. Ou seja, não ser possível autorizar a consulta de mensagens escritas enviadas e recebidas antes do pedido.



Investigação quis aceder às chamadas e ao conteúdo das mensagens de 10 telemóveis dirigidas a Gerry Mccan, mas a Relação de Évora não autorizou.

Ler mais: http://expresso.sapo.pt/tribunal-recusa-acesso-a-dados-telefonicos-pedidos-pelo-mp=f331325#ixzz2InRJ27bI

Pedro Frias, o juiz polémico
Magistrado liberta homicida confesso e é o mesmo que não deixou a PJ ver SMS do telemóvel de Kate McCann