sexta-feira, 4 de janeiro de 2013

Janeiro,Janeiro............


















Nos últimos meses, Amaral, 53 anos tem visivelmente perdido peso. Amigos e fontes próximas falam em depressão e uma grande tristeza.

Danos morais , danos físicos e ameaças " não acontecem a GA", na opinião da ID. 
Os denunciantes dizem que têm sofrido “ansiedade permanente, insónia, falta de apetite e um medo indefinível” 

Isto só acontece aos Mcs, nas decisões de ID. 





http://www.algarve123.com/pt/Artigos/7-1874/McCanns_vs_Goncalo_Amaral


http://www.algarve123.com/pt/Artigos/7-1874/McCanns_vs_Goncalo_Amaral#comments

McCann’s vs Gonçalo Amaral
Gonçalo Amaral dispensa apresentações. Originalmente, foi ele o agente responsável pela investigação ao desaparecimento da filha do casal McCann, há cinco anos atrás. Nas múltiplas e exaustivas investigações que se seguiram depois disso, não foi encontrado qualquer rasto da pequena Madeleine McCann, então com 3 anos de idade. Não há provas, de facto, que suportem a tese da criança ter sido raptada – mas quando Gonçalo Amaral apresentou a teoria que Madeleine morreu, acidentalmente, no apartamento 5A naquela fatídica noite de 3 de Maio de 2007, na Praia da Luz, a sua vida transformou-se num inferno.

Natasha Donn, Edição 746 (13 Set 2012)

O resultado é uma batalha legal, ainda em curso, com Gerry e Kate McCann que já custou a Gonçalo Amaral a sua família, os bens e os rendimentos arrestados.
Agora, o antigo polícia com 26 anos de experiência e uma licenciatura em Direito vai enfrentar outro julgamento, acusado de difamar os McCanns, num processo em que o casal britânico exige 1,2 milhões de euros por danos morais.
Os denunciantes dizem que têm sofrido “ansiedade permanente, insónia, falta de apetite e um medo indefinível” como resultado da publicação do livro «A Verdade da Mentira», no qual Gonçalo Amaral apresenta as razões pelas quais acredita que Madeleine McCann está morta.
No âmbito do processo, o casal descreve-se como alvo de danos irreparáveis e totalmente devastado de um ponto de vista social, ético, emocional e familiar, até.
Agora, cabe ao tribunal em Lisboa decidir se estes sentimentos justificam condenar Amaral a pagar uma soma absurda de dinheiro. O caso que tem sido repetidamente adiado, está novamente marcado para a próxima semana, entre 20 e 21 de Setembro.
O antigo detective tem mantido um perfil discreto e desde o início desta polémica que é mal visto na imprensa britânica. Tem sido descrito com adjectivos simpáticos como “amador”, “bêbado”, “gordo”, “incompetente” e “comedor de sardinhas”.
Enquanto que em Portugal, muitos respeitam as suas opiniões e respeitam a sua bravura em defender as suas convicções, os cidadãos britânicos e certamente a imprensa inglesa, estão frequentemente contra ele. No entanto, num dos foruns dedicados a este assunto (jillhavern.forumotion.net/) muita gente publica mensagens de apoio na Internet.
Nos últimos meses, Amaral, 53 anos tem visivelmente perdido peso. Amigos e fontes próximas falam em depressão e uma grande tristeza. Esta mensagem chega numa altura psicologicamente oportuna. Diz o «Puzzled»: “Dr. Amaral, você não deveria ter tido de enfrentar o que tem enfrentado ao longo dos últimos cinco anos. Contudo, você tem muitos simpatizantes ingleses. Desejo-lhe o melhor possível no que o espera em breve”. Ann-Kristine Westwood escreve: “Enfrentar o mal nunca é fácil. Rezo para que encontre a força necessária para lutar pela verdade até à sua conclusão. Você tem enfrentado coisas que muitos de nós nem conseguimos imaginar.
Mentiras, calúnias, perda. Você é um bom homem, Gonçalo. A sua humildade cristã e a paz interior que vem da verdadeira fé irá ajudá-lo”.
Um escritor que dá pelo nome de Sami diz: “Um herói é um indivíduo extraordinário que encontra a força e a perseverança necessárias para continuar, apesar dos obstáculos esmagadores no seu caminho. Dr. Amaral, Deus o abençoe e boa sorte!”
Em conversa connosco no final do ano passado, Gonçalo Amaral falou do “plano para assassinar a sua posição civil” e do “envolvimento político” do caso McCann.
Uma citação de Edmund Burke vem-nos à cabeça: “A única coisa necessária para o triunfo do mal é o silêncio dos homens bons”. Gonçalo Amaral pode até ser discreto e pouco falador, mas na próxima semana não será silenciado. De facto, terá até muito para dizer…

Mas a ID ao defender o MAD MAC DAM das difamações , perseguições e danos morais a GA, diz (ABSURDO!!!!) :

....... " Inexistem invocados no âmbito do processo, ou passíveis de prova, os

pressupostos da responsabilidade civil que eventualmente caberia ao
Demandado Civil, pela verificação dos factos dos autos,
Factos esses que, em todo o caso, se deixam totalmente impugnados, uma vez
que não foram praticados quaisquer factos passíveis de causar danos,
Muito menos danos de natureza moral, nas circunstâncias dos factos e na
pessoa, em concreto, do Demandante Civil,
Pelo que nenhuns danos, em concreto, lhe foram causados, como se provará
em sede de julgamento,
Até porque inexistem invocados quaisquer danos concretos ou
concretizáveis, verificados nos seus respectivos bom nome, reputação,
imagem, prestígio ou credibilidade, como, de resto, se pode ver do
teor dos seus articulados.
Por tais razões, deve o pedido de indemnização cível em causa nos autos
ser julgado totalmente improcedente, por não provado, ...."