sexta-feira, 6 de julho de 2012

descontraído chupava um chupa-chupa e discutia rugby


Gerry descontraído chupava um chupa-chupa e discutia rugby, enquanto esperava informações que podiam levar à filha




Por: Patrícia Pires  |  24- 7- 2008  3: 13

Quarto arrumado

E porque estava o quarto das crianças tão arrumado? Nem parecia que Madeleine tivesse dormido na sua cama. Para levar a crianças, um raptor teria de se ter apoiado em alguma coisa, devido à altura do parapeito da janela, mas nada na divisão indicava isso. Até as roupas de cama dos berços foram «levadas».


Além disso, parecia impossível a janela ter sido aberta por fora, até porque as persianas ¿ que estavam descidas, segundo os pais ¿ também só abriam por dentro do quarto. E não havia sinais de arrombamento da porta da frente.

Havia ainda a sensação de que algumas coisas tinham sido mudadas de sítio na sala como, por exemplo, um sofá. Local onde mais tarde, um dos cães ingleses detectou odor a cadáver.

Há ainda o caso de uma família irlandesa de férias na praia da luz que contactou as autoridades e garante ter visto um homem a carregar uma menina, por volta das 21h55, numa zona e num sentido diferente ao da amiga do casal, Jane. A família é trazida ao Algarve e os depoimentos, de três pessoas da mesma família, são considerados credíveis. Na altura, defendem que era Madeleine, e fazem uma descrição da roupa que trazia, mas não conseguem identificar o homem que a levava.

Mais tarde voltam a contactar as autoridades porque, após verem imagens de Gerry com um dos gémeos ao colo, admitem como quase certo que o homem que viram poderia ser Gerry. Pela forma de pegar, igual à que tinham visto na praia da Luz, e pela forma de andar.

Os diplomatas

Logo no dia seguinte ao desaparecimento da menor, o cônsul britânico dirigiu-se ao Departamento de Investigação Criminal (DCI) da Polícia Judiciária, em Portimão. Mais tarde, entrou em campo o embaixador inglês e Gonçalo Amaral questiona se é normal esta preocupação da diplomacia inglesa? Serão assim com todos os casais britânicos?

Gonçalo Amaral diz que, a dada altura, após Gerry e Kate terem contactado com o primeiro-ministro britânico, Gordon Brown, ficou «com a certeza de que o caso passaria a ser tratado como um problema político, pelo menos, em Inglaterra».

Os relatórios realizados pelo laboratório inglês são outro mistério. Numa primeira análise seguem um rumo, e noutros documentos posteriores ignoram dados que certificaram no primeiro documento enviado. Como por exemplo, os 15 marcadores (em 19 possíveis) que coincidiam com o perfil do ADN de Madeleine.

Gerry descontraído

Outro episódio deixou Gonçalo Amaral perplexo, mas desta vez o actor foi o pai. Enquanto esperavam o contacto de alguém que dizia ter informações sobre o paradeiro da menina e que as daria em troca de dinheiro, Gerry, na mesma sala que os inspectores e negociadores da PJ, agentes da Scotland Yard e a policia Leicestershire mostrava-se relaxado.

«A tensão na sala era grande». Pelo contrário, a postura descontraída de Gerry contrastava com a ansiedade dos polícias e deixava intrigados todos os investigadores. Até os ingleses. (...) chupava descontraidamente um chupa-chupa enquanto lia banalidades na internet e discutia rugby com um dos polícias ingleses».

«Havia mesmo uma frase que um dos polícias ingleses costuma referir em relação ao temperamento de Gerald McCann, sobre a frieza que este sempre demonstrou em relação ao caso: "não se esqueçam que ele é cirurgião-cardiologista e começa a abrir pessoas ao meio logo depois do pequeno-almoço"».