quinta-feira, 1 de novembro de 2012

Liberdade,liberdade quem a tem chama-a sua e...


" Os amigos conhecem-se nos momentos de crise. É aí que ficamos a saber quem são os nossos 

verdadeiros e incondicionais amigos 

e, surpreendentemente conhecemos amigos verdadeiros "


E GA continua a não ter liberdade  e continua a ser alvo de bullying, de mobbing .... de tudo relacionado com agressão . É o que eu sinto. E liberdade de falar em público sobre o caso............. nem pensar. A entrevista foi um furo jornalístico. Correcta,sim. Foi boa. Judite de Sousa é competente e educada. Nada como o MST. 
E GA foi super. 

















http://www.tvi24.iol.pt/videos/video/13617172/1


*************

Judite de Sousa (JS) aqui no estúdio , tenho Gonçalo Amaral , o antigo Inspector da Polícia Judiciária , que há cinco anos liderou as investigações no terreno quanto ao desaparecimento de Madeleine McCann. Muito boa noite,Gonçalo Amaral!

GA: boa noite !

JS: no Seu ponto de vista o que leva a Scotland Yard de repente, passado algum tempo, pedir à Polícia Judiciária que reabra o inquérito e a afirmar categoricamente que há 195 novas pistas para investigar?

GA: Bom, temos que perceber o tempo , perceber o momento, ontem foi o dia 25 de Abril, é importante pois é o Dia da Liberdade , representa a Democracia em Portugal e vem alguém de uma potência estrangeira dizer assim: " reabram!" . É importante , estamos a poucos dias de comemorar o desaparecimento, o triste e trágico desaparecimento desta Criança e, estamos a um ano em que o grupo de trabalho começou a investigar . São milhões de libras ou milhares de libras, seja o valor que for e tem estado a ser questionado em Inglaterra sobre isso tudo .
Dizer que têm 195, eu pergunto por que têm ainda 195, porque não têm só cinco? 

JS: Gonçalo Amaral como explica este número? 195 pistas de investigações ?

GA: eu vou dizer-lhe. É assim , andamos ou eles andam a falar em avisamentos, em visões de videntes . Muita coisa produzida. Foi muita coisa produzida ao longo destes anos e bem produzida desses avisamentos e, portanto a polícia inglesa tem de remeter a bola para a Polícia Portuguesa e, nós ficamos com o ónus e com a despesa de investigar . É importante reabrir o processo, ninguém tenha dúvidas mas é reabrir o processo sem limitações, porque nos querem limitar .

JS: quais são as limitações que nos querem impor?

GA: querem impor a de um rapto. Aliás, ali se fala de duas coisas, pode estar viva como pode estar morta . Mas, isto é o que é.

JS: Não, a SY diz que pode estar viva..... GA: não, que pode estar viva como pode estar morta. Não se esqueça dos 50%. Pode estar viva ou morta .Metade acima, metade abaixo e a tristeza é essa pois passaram cinco anos e não se sabe o que aconteceu a essa criança. E " a culpa " é nossa . Nossa, do nosso sistema de Justiça, do nosso Procurador Geral da República porque permitiu que esta investigação fosse arquivada. Porque em Setembro de 2007 nós tínhamos determinadas conclusões; que são conclusões provisórias . E uma investigação criminal tem que ter um fim ; e tinha que chegar ao fim . E a esse fim nunca se deixou chegar . Teria de se perceber aquilo que existia como provisório permitiria ou não chegar ao final ; ou ser diferente .Isto é que é investigação criminal .

JS: porque é que Gonçalo Amaral acha que a Procuradoria Geral da República decidiu arquivar o processo ?

GA: porque nós somos Portugueses e eles são ingleses ; apenas assim. Nós somos pequenos e eles são "grandes" . É o que se passa.

JS: defende que a tese que existiram pressões políticas?

GA: não tenha dúvidas. Ainda há pouco o actual Primeiro Ministro foi ouvido ou foi falar com David Cameron em Inglaterra. Era importante que o Primeiro Ministro tivesse falado com alguém que estivesse na investigação para saber o que se passou.

JS: mas torna-se difícil aos olhos de quem nos está a ver e a ouvir compreender por que razão o poder político em Londres ou uma polícia com o prestígio da SY estejam tão focados, tão empenhados neste caso cinco anos depois , tendo ele já sido arquivado em Portugal. Qual acha que é a verdadeira motivação?

GA: mas acha que estão focados, estão empenhados ? Fala-se em 27 elementos da polícia inglesa, SY... Deixe que lhe diga que é apenas e só a polícia metropolitana de uma cidade , de Londres . Aqui em Portugal quem investigou foi a Polícia Judiciária , que é o Corpo Superior da Polícia e tem competência para todo o País . Não é o caso da S.Y. Vamos falar nas coisas, nós somos o que somos mas talvez possamos ser iguais ou até melhores do que eles .Esta é a questão. A questão da polícia que chega ao fim e diz " temos 195 pistas" hipóteses de ........ por que é que ainda têm 195 .Por que não têm só cinco?

JS: eles dizem 195 como podiam dizer 15,20...............

GA: era melhor que fossem cinco; era importante porque tinham fechado o leque . Dizerem que têm 20,25,30,50...... 200,400..... Olhe de avisamentos, de videntes que sonham ... disso tudo há dezenas, centenas, milhares Há o que quiser. Agora, factos , indícios , aquilo que lá está naquele relatório de setembro de 2007 e que foi elaborado pela Polícia Judiciária e pela Polícia Inglesa, não nos esqueçamos disso, era a Polícia local onde vive o casal McCann que nos esteve a dar apoio e não a SY que é a Pol ́cia de Londres (MET ) ; não é a polícia inglesa ; não é a polícia nacional de Inglaterra , portanto vamos com cuidado porque aqui temos a Polícia Judiciária que tem competência Nacional. E, por alguma razão a tem . Portanto, aquilo que foi, hoje não é rebatido . E, por que mandam para nós? É importante reabrir o processo . E, por que dizia o Dr. Rogério Alves que têm de haver elementos sólidos para reabrir o processo ...... pois, porque ele sabe que se for reaberto em Portugal há logo uma coisa que é feita , que é a reconstituição dos factos .E, nessa reconstituição dos factos , que pode ser útil ou pode não ser útil para aqueles que foram suspeitos . Mas tem de ser feita e é a primeira diligência que tem de ser feita em Portugal, em termos processuais .Não esqueça ....

JS: Gonçalo Amaral defende que deve ser reaberto o processo?

GA: defendo, sempre defendi . Aliás o casal McCann nunca defendeu. A intenção é uma revisão dos avisamentos; é aquilo que está a ser feito . Porque a reabertura do processo em Portugal com todos os indícios que ali estão , eles nunca defenderam porque , repare, quando o processo é arquivado em 2008 havia três suspeitos :Robert Murat e o casal McCann . Os três podiam ter-se oposto ao arquivamento do processo. Um recebeu 500 mil euros ou 500 mil libras... de indemnização e os outros ficaram quietos . Porquê? Porque não lhes interessava a continuação da investigação . Mas, agora a investigação tem de continuar ...

JS: está a falar dos pais da criança?

 GA: estou a falar de todos , de todos aqueles que foram suspeitos .... 

JS: O Gonçalo Amaral mantém ......

GA: a investigação tem de continuar. Se alguém parou, se alguém como arguido, como suspeito, por exemplo , era o Robert Murat entende dentro dos seus interesses que não tem que avançar e pedir a abertura da instrução ..... recebeu uma indemnização lá dos jornais ingleses..... tudo bem

JS: O Gonçalo Amaral mantém a sus convicção de que esta criança não está viva?

GA: olhe, eu tenho uma opinião. Conforme este senhor tem , diz ele, que está viva. Eu tenho a opino~ao que está morta . Tenho direito à minha opinião . Eu e outros polícias e os técnicos. A minha opinião é a minha opinião e baseio-me em factos. Eu não sei se ele se baseia em factos ou se baseia em pseudo avisamentos ou o que é que ele se baseia . Eu escrevi um livro e digo onde e em que me baseio.
Esse senhor só diz " olhamos aqui para a coisa " e isto é assim , mas não explica muito mais do que isso........

JS: mantém a sus convicção na responsabilidade dos pais no desaparecimento

GA: olhe, repare, eu só lhe digo uma coisa, uma investigação terminal é uma dinâmica , é começar num ponto e termina-la. Em Setembro de 2007 era necessário "checar " essas conclusões; avançar ou não avançar . Tinha que se avançar, isso é que é uma investigação terminal . Dizer depois " isto tem de parar " e eles avançam , o que fica e o que ficou é o que ficou naquele livro , porque nós fomos acusados de uma série de coisas. Eu fui acusado de muita coisa e, aquele livro saiu em minha defesa . Livro que foi hoje formalmente entregue ao fim de um ano e meio......

JS: que vai ser colocado de novo nas Livrarias?

GA: eu penso que sim . Pelo menos as Pessoas têm o direito a ler o livro.

JS: Gonçalo Amaral .......

GA: agora, essas são as conclusões de determinado momento da investigação ; não são conclusões finais ; são provisórias . As pessoas têm de entender isso .

JS: o que acha que deve ser de hoje em diante o trabalho da Polícia Judiciária do Porto se decidir reabri o processo ?

GA: olhe, o Porto não tem hipótese de investigar o processo . A questão passou-se
no Algarve e o Porto por muita vontade que tenha , por muita competência que tem , não tem porque está longe do sítio. Agora, é importante que alguém que está longe geograficamente , longe em termos temporais . Mas, não tem hipótese porque as coisas passaram-se no Algarve . Ou é investigado no Algarve ou em Lisboa . Devia era ser investigado em Inglaterra, onde devia ser porque a SY, a polícia britânica é que tem dinheiro . Podem gastar mais uns milhões de libras e investigar o que aconteceu com uma súbdita deles ........

JS: Gonçalo Amaral mas, explique-me uma coisa , do seu ponto de vista o que levou , quais as razões , para a Directoria da Polícia Judiciária a mandar para o Porto o caso da Maddie McCann?

GA: quais as razões? Foram justificadas pelo Dr. Pedro do Carmo porque era o distanciamento em termos geográficos, o distanciamento em termos de pessoas mas de resto estas competências.....

JS: ..............

GA: em termos de competência, Lisboa , a antiga DCCB a unidade de combate ao terrorismo . Quem actualmente são pessoas muito mais experientes, não falo de incompetência, mas são competentes na área dos raptos, dos sequestros , desaparecimentos e por aí a fora ......

JS: não compreendeu portanto esta decisão

GA: a Dr.ª Helena Monteiro tem um grande caso...... o caso da Rapariga de Lamego (Carina Ferreira) que desapareceu e apareceu lá no acesso à Régua . De forma que é um caso importante .......... estava ali morta e estava ali há mais de um mês..... e, com o GPS localizado mas dizer que tem grande experiência......

JS: mas está a dizer que os seus colegas do Porto..........

GA: são competentes. Não tenha dúvidas. São Polícias, são competentes, são investigadores criminais ........
JS: acredita que consigam deslindar este caso ?

GA: são muitas páginas, são muitos indícios , muita coisa que tem de se ler e é difícil de ler às vezes........

JS: Gonçalo Amaral o que é feito da Sua equipa? Das pessoas que o acompanharam na investigação deste caso ?

GA: andam a ser perseguidas, caso a caso . O último caso que é do meu colega Ricardo Paiva que foi alvo de uma armadilha no Facebook e essas coisas todas... e, saiu logo. O Dr. Pedro do Carmo a dizer que sim que ele tinha violado uma série de deveres . É interessante porque o Dr. Pedro do Carmo era a pessoa que tinha de decidir e ele antes já violou os ..... já violou uma série de segredos........ de deveres . E, uma pessoa pergunta-se por que é que isto acontece? Como é que alguém vem pôr-se em bicos dos pés a falar contra ..... porque são testemunhas!
O Ricardo Paiva é uma das minhas testemunhas no processo que há dos McCann contra mim ..... e que estamos aí a discutir. E. por que é que estes directores, estas pessoas que neste momento são directores , que estão a representar a Polícia mas não são a Polícia Judiciária .........

JS: mas deixe-me esclarecer. Está a dizer-me que os seus colegas que estão no activo estão a ser perseguidos ?

GA: não tenha dúvidas contra isso. 

JS:no interior da PJ?

GA: no interior da Polícia Judiciária.........

 JS: estão a sofrer retaliações?

GA: estão a sofrer retaliações! Porque estão ao pé de mim! Eu não posso ir à Polícia; eu não posso estar com ninguém porque há logo retaliações . Isso tem acontecido. E, eu limito-me a viver no meu Bairro, que é um Bairro bonito e que fica aqui ao pé da Expo , onde vivi 40 anos e , lá estou eu.

JS: este caso arruinou-o?

GA: não me arruinou; eu vivo num momento de crise como qualquer um de nós e ..................... estamos a sobreviver......... Estamos bem , continuamos calmos e serenos.

JS: Gonçalo Amaral muito obrigada por ter vindo ao Jornal das 8.


 GA: muito obrigado. Boa noite.