sexta-feira, 9 de setembro de 2011

A " junta" ! Nada tem a ver com Junta de Freguesia, por ex.


http://www.publico.pt/Sociedade/madeleine-mccann-policia-britanica-diz-ter-estado-em-portugal-em-agosto-mas-pj-e-pgr-desconhecem_1511047


as aspas:

.......As investigações da Polícia Judiciária (PJ) portuguesa terminaram com o arquivamento do caso pela Procuradoria-Geral da República (PGR) em Julho de 2008.

Contactadas pela Lusa, tanto a PJ como a PGR não confirmaram a informação de que agentes da Scotland Yard estiveram em Agosto em Portugal para discutir com as autoridades portuguesas a investigação ao desaparecimento de Madeleine.

Fonte oficial da PJ disse “desconhecer” tal informação, enquanto a PGR referiu, através da sua porta-voz, que “não tem conhecimento” dessa alegada diligência, acrescentando que “,aliás, nada lhe foi solicitado ou comunicado”. 



PJ desconhece encontro de polícias portuguesa e inglesa sobre Maddie

Ontem


Agentes da Scotland Yard estiveram em Agosto passado em Portugal para discutir com as autoridades portuguesas a investigação ao desaparecimento de Madeleine McCann, confirmou hoje fonte oficial em Londres, mas a PJ e a PGR portuguesas dizem desconhecer essa informação.


http://www.jn.pt/Dossies/dossie.aspx?content_id=1983972&dossier=O%20caso%20Maddie%20McCann&page=-1

Há comentários mas escolhi este :

"

08.09.2011/20:44

A SY que aperte com os pais da criança que estão no UK se querem mesmo saber o que aconteceu. A mim parece-me que Cameron, o tal que tem ligações com o Murdoch Rupert, só que criar uma nuvem de fumo para os pais continuarem na maior e fazer de todos parvos " 






http://www.cmjornal.xl.pt/detalhe/noticias/nacional/portugal/maddie-junta-pj-e-policia-inglesa

Por:  Henrique Machado













"OS INGLESES TÊM PROVAS": Gonçalo Amaral, ex-investigador do processo
Correio da Manhã – O que é que a polícia inglesa pode acrescentar à investigação?
Gonçalo Amaral – Os ingleses podem sempre apresentar as conclusões a que eles próprios chegaram em 2007. Porque sabem, têm provas daquilo que aconteceu – já não precisam de investigar nada. Tudo isto agora é um mero ‘show off’.
– Como é que se justificam agora estas reuniões?
– Só em termos de imagem política do primeiro-ministro inglês. Não vêm cá de certeza pedir para consultar um processo que, desde a primeira hora, já têm em Inglaterra e todo traduzido em inglês...
– É mais uma manobra mediática do casal McCann?
– Não sei mas, agora, se é a Scotland Yard que investiga e já não pagam a detectives, podem devolver o dinheiro do livro.



Pedro do Carmo, director nacional-adjunto da Polícia Judiciária, recebeu comitiva britânica para discutir desaparecimento de Maddie






Três oficiais de elite da investigação policial britânica, Scotland Yard, chegaram a Lisboa discretamente no início do mês passado. E seguiram de imediato para a reunião marcada na sede da Polícia Judiciária – para "afinar mecanismos de cooperação" na análise de novas pistas sobre o caso Maddie, confirma ao CM Pedro do Carmo, director nacional-adjunto da PJ.



A notícia foi ontem avançada pela Sky, depois de, em Maio, esta equipa da Scotland Yard ter sido accionada por ordem directa do primeiro-ministro David Cameron, na sequência de um apelo que lhe foi feito por Kate e Gerry McCann, os pais da menina desaparecida na Praia da Luz, Lagos, na noite de 3 de Maio de 2007. O objectivo dos investigadores britânicos, que regressaram a Londres no dia seguinte, é passar a pente fino todas as informações e pistas seguidas no processo – para que possam sugerir novos passos à PJ caso se justifiquem.
O processo está formalmente arquivado, "mas é do interesse da PJ e da Scotland Yard que um dia cheguemos à verdade material dos factos" sobre o que se passou na Praia da Luz, continua Pedro do Carmo. O responsável da PJ, que presidiu ao encontro, adianta que se tratou de uma reunião "construtiva" – que juntou os britânicos e elementos da PJ de Portimão, onde se desenrolou a investigação.
Continuam a chegar às polícias portuguesa e britânica dezenas de informações, anónimas ou não, sobre o que se terá passado com a menina inglesa, então com quatro anos, dentro do apartamento 5A do Ocean Club. A maioria diz respeito a avistamentos em várias partes do Mundo, que se revelam sem fundamento; outras são mais credíveis e têm de ser despistadas. Umas apontam para rapto; outras para envolvimento de adultos próximos da criança.
DAVID CAMERON CEDEU AO CASAL


A imposição do primeiro-ministro britânico à Scotland Yard, em Maio, pela altura do lançamento no Reino Unido do livro ‘Madeleine’, que coincidiu com o oitavo aniversário da criança desaparecida, causou polémica em Inglaterra. Foi vista por alguns como uma medida populista, de um político que dá um tratamento diferenciado ao casal McCann – que caracterizara Cameron como "um pai devoto e um homem de família", pedindo-lhe uma "revisão independente e transparente do processo". O primeiro-ministro respondeu-lhes garantindo que ia empenhar a Scotland Yard.

Aqui:





Enviar um comentário