domingo, 5 de dezembro de 2010

Piquetes da PJ




Este artigo de opinião é sobre um caso passado a 4.12. Há 30 anos. Mas, realço pois que para mim , isto também se aplica ao que aconteceu a Madeleine McCann , 
 MENINA DA INVESTIGAÇÃO MANDADA PARAR! 



É o pior resultado possível. Não saber. E sei que isso deixa mortos por dentro todos os verdadeiros polícias que não se conformam com dúvidas. E gostaríamos de saber!


" Eu estava lá nessa noite. Chegáramos de Cascais, o meu amigo Luís Rendeiro e eu, depois de prendermos dois assaltantes que haviam roubado a casa do Raul Indipwo, do Duo Ouro Negro. Metemo-los na zona prisional e fomos ao Piquete, onde o nosso Chefe Lourenço Ferreira comandava os polícias que estavam de serviço. Eram mais ou menos oito horas. A noite estava fria e a maioria dos colegas ou estava na rua, investigando crimes e catando criminosos, ou jantava à volta da PJ. Ficámos na conversa. O serviço de Piquete é isto ao longo das 24 horas. Os dias nunca são iguais. Por vezes, começam a chegar dezenas de notícias de crimes que põem o pessoal em alvoroço desde as oito e meia da manhã e não deixam ninguém em paz até à rendição no dia seguinte à mesma hora. Noutra vezes corre mole, sem que os telefones toquem, indolentes, com uma mansidão que se torna insuportável.
E de repente, a qualquer hora, os telefones começam a crepitar e tudo se transforma em vendaval de trabalho. Nunca percebi a regularidade da vida do Piquete, talvez porque vive tão perto do pulsar da vida que nada é previsível. Uma semana sem homicídios. De repente, num só dia quatro homicídios. Uma semana sem assaltos à mão armada. E, de repente, uma semana com vinte assaltos à mão armada. Um verdadeiro ruído de vida e morte que escapa a qualquer previsão.
Nesse tempo havia ........................ "


Ler em : 






 É o pior resultado possível. Não saber. E sei que isso deixa mortos por dentro todos os verdadeiros polícias que não se conformam com dúvidas. E gostaríamos de saber!

Enviar um comentário