segunda-feira, 28 de Julho de 2014

Avançar com um processo contra o casal McCann e outros






Gonçalo Amaral vai processar casal McCann revelou que o momento para reagir judicialmente está a aproximar-se

Tudo o que me resta é avançar com um processo contra o casal McCann e outros, de forma a ser compensado pelos danos enormes que já me causaram, a todos os níveis: moral, profissional e financeiramente. O momento para reagir judicialmente contra todos os que puseram em causa a minha privacidade, intimidade, liberdade de expressão e condições de sobrevivência está a aproximar-se."



Eu apoio Gonçalo Amaral! 

Gonçalo Amaral é um Homem de Familia. 

Gonçalo Amaral é um Cidadão Português . 

Portugal !






domingo, 27 de Julho de 2014

Sinistros UK tabloids

Polícia inglesa esconde provas no caso Maddie


http://www.cmjornal.xl.pt/detalhe/noticias/nacional/portugal/policia-inglesa-esconde-provas-no-caso-maddie

Investigação

Gonçalo Amaral diz que informações fornecidas por uma mulher que viu pai de Maddie a caminhar em direção à praia desapareceram dos ficheiros.

16 de Junho 2014, 07h34

Por:Magali Pinto

Poucos dias depois de Madeleine McCann ter desaparecido do aldeamento turístico Ocean Club, na Praia da Luz, Algarve, a 3 de maio de 2007 (há sete anos), surgiu uma testemunha: uma turista britânica que disse ter visto o pai da menina a andar na praia à noite. A revelação foi feita pelo ex-coordenador da PJ Gonçalo Amaral, que acrescenta que os dados dessa testemunha desapareceram.

"Tentámos recuperar esse testemunho e os documentos que se encontravam na esfera britânica e simplesmente desapareceram. Ainda hoje não sabemos quem é essa pessoa e onde está", disse Gonçalo Amaral. Hoje, o ex-coordenador da PJ de Portimão vai encontrar-se novamente com Gerry e Kate no Palácio da Justiça, em Lisboa, uma vez que vai continuar o julgamento em que o casal britânico pede 1,2 milhões de euros de indemnização pela publicação do livro ‘Maddie, A Verdade da Mentira', da autoria de Gonçalo Amaral, em que defende a tese de que os pais são os responsáveis pelo desaparecimento da menina e pela ocultação do cadáver. 


Gonçalo Amaral não tem dúvidas de que a Maddie está morta. "Os pais da menina tinham a chave da igreja e nessa mesma igreja foi realizado um velório um mês depois do desaparecimento. Segundo algumas informações, a criança bem podia ir nos pés dessa mulher que ia ser cremada", explicou ainda Gonçalo Amaral.


Com J. Murros 

http://www.express.co.uk/news/uk/488487/EXCLUSIVE-Potential-key-witness-McCann-case

EXCLUSIVE: Maddie witness overheard sinister comment about disposing of a body

A BRITISH woman has told Scotland Yard detectives seeking Madeleine McCann that she overheard a conversation in which a man said: “Why did you bring her here? Now we will have to dispose of the body.”

The witness used to live opposite the Ocean Club resort [PA]

The potential key witness has been interviewed several times in Britain and used to live almost opposite apartment 5a of the Ocean Club in Praia da Luz on the Algarve, from where Madeleine, three, was taken on May 3, 2007.

The Sunday Express understands the comment was heard several hundred yards from the Ocean Club in a residential area towards the seafront.

The woman gave an interview to Portuguese detectives 13 days after the disappearance but the report on the informal interview does not mention her overhearing a conversation about disposing of a body.


Why did you bring her here? Now we will have to dispose of the body 

However, in April 2008 the woman made a further statement in which she recounted hearing the astonishing comment, saying she heard it days after the abduction. She also claimed that the owner of a pub in Luz was called by a woman shortly after the disappearance who said she had overheard the comment about getting rid of a body.

 

The Sunday Express understands the owner of the bar has been interviewed but cannot recall the conversation.

The woman has since returned to Britain with her child and is living in the Home Counties.

When contacted by the Sunday Express, the woman, who we are choosing not to name to safeguard the investigation, said: “I do not want to say anything.”

Last month Scotland Yard detectives shadowed three searches of wasteland near the Ocean Club but no obvious clues were found.

Some materials gathered in the search were sent for forensic examination but officers were not hopeful of a breakthrough in the investigation.

segunda-feira, 21 de Julho de 2014

Mensagem De Gonçalo Amaral


     


Amigas, amigos,

Lendo as notícias acerca da última sessão do julgamento fico com a certeza que a grande maioria dos jornalistas desconhece o que ali se está a discutir, e não informaram de forma correta.


Sejamos claros. O que está em causa é saber:


- Se a escrita do meu livro “Maddie: A Verdade da Mentira” constituiu um acto lícito ou ilícito;


- Se os autores sofreram danos e se existem factos que os provem;


- Se é possível estabelecer um nexo de causalidade entre o livro e tais danos.


É isto que está em causa.


Quanto à licitude do livro, sugiro a quem tenha dúvidas que leia o acórdão do Tribunal da Relação de Lisboa no âmbito da providência cautelar que precedeu a acção em causa. Na verdade, para os Ex.mos Senhores Desembargadores, como se pode concluir dessa decisão, a licitude da publicação do livro é incontestável.


Quero com isto dizer que, com esta comprovada licitude, o assunto deverá ficar por aqui, sem necessidade de se averiguar mais nada, nomeadamente no que respeita aos danos de que os autores se queixam.


Mas, note-se, mesmo que tal licitude ainda possa estar em causa, haverá, ainda, que estabelecer um nexo de causalidade entre a publicação e os danos de que os autores se queixam, tais como depressões profundas, isolamento social, etc… E, claro está, provar que tais danos, seja qual for a sua origem, existem de facto.


Quanto à parte social, parece-me óbvio, se atentarmos aos inúmeros eventos sociais em que os autores têm participado, incluindo, pasme-se, discursos no próprio Parlamento Britânico, entrevistas em programas como o Ophrah Winfrey, jantares de gala como as mais ilustres personalidades, nomeadamente britânicas, entre muitos outros, o dito afastamento social é totalmente falso.


Já quanto às depressões, embora, de forma alguma se encontrem provadas no processo, a meu ver, a verdade é que muito estranho seria se não existissem. O desaparecimento de uma filha, esteja morta ou viva, tenha sido ou não raptada, não pode deixar de originar enormes sequelas desse tipo. Muito estranho seria se tal não acontecesse! Mas a este respeito já não digo nada, na medida em que os autores parecem querer imputar-me a mim e ao meu livro todas as suas dores, como se o referido desaparecimento, acrescido da sua constituição como arguidos e demais circunstâncias que rodeiam o caso, só por si, não tivesse qualquer importância, ou não fossem mais do que suficientes!


Infelizmente, devido a manobras claramente dilatórias da parte dos autores, que obrigaram, mais uma vez, ao adiamento da audiência, receio que o processo se arraste – como eles claramente pretendem -, e não tenhamos sentença proximamente, como eu gostaria e pela qual anseio. Ainda para mais quando se iniciaram já as férias judiciais e, como a Ex.ma Sr.a Juiz bem explicou, com a entrada em vigor do novo mapa judiciário, em 1 de Setembro, a morosidade processual irá agravar-se consideravelmente.


Da minha parte, porém, mantém-se inabalável a confiança na justiça portuguesa.


Resta-me agradecer e reconhecer todo o apoio que tenho recebido, por parte de todos aqueles que acreditam na justiça e na verdade, sem o qual não me teria sido possível fazer face ao processo. Nem tampouco, levar-me a ponderar, como estou, intentar um processo contra o casal McCann e outros, com vista a ser ressarcido dos enormes prejuízos que já me causaram a todos os níveis, tais como morais, profissionais e financeiros.


Vai sendo tempo de reagir judicialmente contra todos aqueles que têm colocado em causa a minha, privacidade, intimidade, liberdade de expressão, opinião e condições de subsistência.


Tentaram assassinar-me civilmente, mas, graças ao apoio e solidariedade de todos vós, não conseguiram.


Muito Obrigado,


Lisboa 21 de Julho de 2014


Gonçalo Amaral



Consultar o acórdão do Tribunal da Relação de Lisboa:

http://pjga.blogspot.com/2014/07/acordao-do-tribunal-da-relacao-de.html

http://www.scribd.com/doc/234659315/Acordao-do-Tribunal-da-Relacao-de-Lisboa"











quinta-feira, 17 de Julho de 2014

12 de Setembro 2009. E não me calo.

Matéria de Facto

No livro ‘A verdade da mentira’ falei da forma como se pode manipular uma investigação e desviá-la do seu objectivo principal: descoberta da verdade e realização da justiça. No caso, seria fácil: mudava-se o polícia que coordenava.

  • 12 de Setembro 2009, 00h30

Por:Gonçalo Amaral, Ex-Coordenador da PJ

Mas, como na investigação do ‘Apito Dourado’, ninguém se preocupou com o perigo para a independência de uma investigação criminal. Com o caso ‘Freeport’ a coisa piou fino, as pessoas a mudar já não eram meros funcionários públicos, polícias, mas ilustres Procuradores do Ministério Público. Foi então que ia caindo ‘o Carmo e a Trindade’ (ainda abana) e pessoas responsáveis neste país vieram alertar para o perigo.

Hoje, fui notificado de uma decisão judicial que me proibirá de exprimir de forma escrita ou oral opinião sobre a investigação do caso ‘Maddie’, na qual exerci actividade de polícia. Serei proibido de exercer a minha liberdade de expressão, mas sendo um mero cidadão e um vulgar ex-polícia, vamos ter que esperar pelos casos ‘Casa Pia’, ‘Apito Dourado’ e ‘Freeport’ para que ‘o Carmo e a Trindade’ caiam de vez. Mas, o tempo em que não se podia falar já lá vai e a desigualdade de classes não pode existir no que toca a direitos, liberdades e garantias. E não me calo.

sexta-feira, 11 de Julho de 2014

o casal conseguiu o objectivo a que se propunha já há algum tempo


NUIPC: 201/07.0 GALGS
Data: 2007/09/03


Neste contexto, assistiu o signatário a diversos comportamentos “estranhos” por parte do casal que gradualmente foi reagindo de forma muito negativa à crescente actividade investigatória levada a cabo por esta Polícia, em especial quando, decorrente da utilização dos meios cinotécnicos ingleses de detecção de odor de cadáveres, surgiu com mais evidência na investigação a hipótese de ter ocorrido a morte de MADELEINE MCCANN.



http://joana-morais.blogspot.com/2009/11/processo-madeleine-mccann-informacao-de.html


...." Em relação ao caso Maddie houve ontem , o que era suposto ser a última audiência e o casal conseguiu o objectivo, a que se propunha já há algum tempo , que era transferir a decisão final para Setembro e nesta última audiência conseguiram que a Juíza pedisse às Finanças o resultado das vendas do Livro do Inspector Gonçalo Amaral e, portanto fica tudo prorrogado até Setembro .
Objectivo cumprido, em Setembro há mais ; a novela judicial continua em Setembro. "....

http://sic.sapo.pt/Programas/queridasmanhas/2014/07/09/queridas-manhas---programa-9-de-julho